quarta-feira, 14 de março de 2007

O MILAGRE NA VIDA DE UMA MULHER ESTÉRIL


O MILAGRE NA VIDA DE UMA MULHER ESTÉRIL
Já conhecemos a história do milagre na vida de Ana, uma serva do Senhor. Na sua época e no seu povo, a fertilidade era muito valorizada. De forma que ter filhos, era sinal de prosperidade e benção do Senhor sobre a mulher, e sobre a família. A mulher estéril era alvo de brincadeira, geralmente vivia tão triste e envergonhada diante de suas amigas e também diante da insatisfação do seu marido, que não raramente, a repudiava por não poder ter filhos.
Ana, como serva temente ao Senhor tinha uma promessa de fertilidade. O seu marido, Elcana, tinha outra esposa, chamada Penina, e essa era extremamente fértil. Acontece que os anos começaram a se passar, e Ana não tinha filhos. E ano após ano, diante da fertilidade de Penina, a sua vergonha aumentava. Todos os anos a família ia ao templo sacrificar ao Senhor, e Ana não conseguia se alegrar, ela não conseguia comer, não conseguia adorar ao Senhor, ela só conseguia chorar amargurada por não poder ter filhos. Penina sempre encontrava ocasião para provocá-la e a deixar ainda mais triste e envergonhada.
O tempo continuou a passar, e ano após ano Ana ficava mais amargurada, mais triste. Aquela promessa de ter filhos havia se tornado uma obsessão, ao ponto de Ana só conseguir pensar naquilo e ficar cada vez mais triste, mais amargurada, mais ansiosa, no entanto mais descrente do cumprimento da promessa. Seu marido, apesar da sua infertilidade, a amava mais do que a Penina, ao ponto de dar a Ana porção dupla dos manjares. Elcana a consolava dizendo: "Ana, eu não preciso de filhos pra te amar e aceitar, o meu amor não é melhor que 10 filhos?". Mas apesar do amor e aceitação incondicional do marido, Ana permanecia triste, amargurada, distante de Deus e obcecada por aquela promessa que nunca se cumpria.
Houve uma ocasião em que Ana mais uma vez foi ao templo, para o sacrifício anual. Poderia ser mais um ano vivendo a mesma tristeza de sempre. Mas Ana já havia tirado aquela obsessão por um filho que ela tinha dentro dela, naquele dia ela chorou abundantemente e fez uma oração: "Senhor, eu já quis muito um filho, hoje eu não quero mais um filho, hoje eu estou querendo conhecer um Deus que pode tirar a aflição de uma mulher estéril, triste e amargurada como eu, se o Senhor me der eu vou entregá-lo pra que seja feito aquilo que o Senhor quiser".
Naquele dia, o esforço daquela mulher em orar, apesar de tanta aflição, apesar de talvez ela não conseguir nem abrir a boca pra dizer algo, tocou o coração de Deus. De forma que Eli, o sacerdote, chegou nela e disse: "vai em paz, a tua petição foi atendida". Ana então se levantou, enxugou as lágrimas, e foi comer e se alegrar. Apartir de então ela já não era mais a mesma, ela não tinha mais um coração triste e amargurado, mas ela adorava, se alegrava, e tinha paz . Em um dia, depois de adorarem ao Senhor, Elcana teve relações com Ana, e o Senhor, lembrando-se daquele coração feliz e grato deu a ela um filho chamado Samuel (que significa: Do Senhor o pedi).

Queridas amigas...o texto é mto bom...vale a pena ler na íntegra....
Bjus mil
Kerlen Moraes

Um comentário:

Fabiane disse...

amiga so passei para te dizer que te amo muito!! e que tudo dara certo p vc ,, saiba q a vivi é muito orgulhosa de ter uma dinda virtual como vc obrigado por tudo!!